Elcio Nogueira | Release
Idade: 46
Nacionalidade: Brasileiro
Reside: São Paulo
Medidas
Altura: 1.68cm
Peso: 70kg
Línguas
Inglês
Espanhol
Francês
Elcio Nogueira
Ator,Diretor
Como Ator

Iniciou sua carreira no TEATRO OFICINA, com HAM-LET, em 1993, sob a direção de ZÉ CELSO. Ainda neste ano, fundou o TEATRO PROMÍSCUO com o ator RENATO BORGHI. Ao longo dos 20 anos da companhia, idealizou, dirigiu e protagonizou vários espetáculos e projetos relevantes: ÉDIPO DE TABAS, TIO VÂNIA, JARDIM DAS CEREJEIRAS, MOSTRA DE DRAMATURGIA CONTEMPORÂNEA, BORGHI EM REVISTA, TIMÃO DE ATENAS, MACBETH, SETE GATINHOS, O CASAMENTO, AZUL RESPLENDOR, FIM DE JOGO, entre outros. Por sua atuação na MOSTRA, ganhou os prêmios SHELL e APCA de 2002, além de ter recebido indicações como ator e diretor por outros espetáculos (APCA por O BEIJO NO ASFALTO). Em 2008, lançou seu primeiro livro BORGHI EM REVISTA pela Coleção Aplauso. Ministrou inúmeras oficinas de teatro, no Brasil e no exterior, sobre temas variados, como as obras de Nelson Rodrigues, Tchekhov, Beckett, Tennessee Williams e Shakespeare. Seu último trabalho como ator foi com a personagem Racine em “Molière” (dir. Diego Fortes, 2018).

Em 2010, pela EMBAIXADA DO TEATRO BRASILEIRO, recebeu, em Cuba, o Prêmio Villanueva da crítica.

Iniciou sua carreira no TEATRO OFICINA, com HAM-LET, em 1993, sob a direção de ZÉ CELSO. Ainda neste ano, fundou o TEATRO PROMÍSCUO com o ator RENATO BORGHI. Ao longo dos 20 anos da companhia, idealizou, dirigiu e protagonizou vários espetáculos e projetos relevantes: ÉDIPO DE TABAS, TIO VÂNIA, JARDIM DAS CEREJEIRAS, MOSTRA DE DRAMATURGIA CONTEMPORÂNEA, BORGHI EM REVISTA, TIMÃO DE ATENAS, MACBETH, SETE GATINHOS, O CASAMENTO, AZUL RESPLENDOR, FIM DE JOGO, entre outros. Por sua atuação na MOSTRA, ganhou os prêmios SHELL e APCA de 2002, além de ter recebido indicações como ator e diretor por outros espetáculos (APCA por O BEIJO NO ASFALTO). Em 2008, lançou seu primeiro livro BORGHI EM REVISTA pela Coleção Aplauso. Ministrou inúmeras oficinas de teatro, no Brasil e no exterior, sobre temas variados, como as obras de Nelson Rodrigues, Tchekhov, Beckett, Tennessee Williams e Shakespeare. Seu último trabalho como ator foi com a personagem Racine em “Molière” (dir. Diego Fortes, 2018).

Em 2010, pela EMBAIXADA DO TEATRO BRASILEIRO, recebeu, em Cuba, o Prêmio Villanueva da crítica.